Dá-te Paz

Por Sara

Há dias andava a destralhar, uma tarefa que procrastino arduamente, quando no meio da confusão encontrei esta carta, sem data, mas cronologicamente gravada na minha memória como fruto de uma época que apetece esquecer mas que vale a pena lembrar.

 

“Sara,

O que tens que fazer é simples: Pára. Pára e descomplica. E confia. Não te envolvas em trabalhos nem privações, tu sabes o que está mal mas há coisas que só com o tempo vais descobrir.

Há livros, há pessoas, tudo te pode ajudar, mas é um caminho que tens que percorrer. Eu não te julgo pelo que sentes por mim, eu aceito-te como espero que me venhas a aceitar. Pára. Escuta. E fecha os olhos. Pára. O teu coração é grande e saudável e bate com mais força para te lembrar disso, de que estás viva, e não de que estás cansada ou frágil. Estás viva, estás acordada, tens um corpo cheio de coisas para dar. Não há nada que te prenda. Pára de procurar. Relaxa e pára.

Desfruta. O teu corpo é a tua casa, é onde a tua vida toda se construiu. O teu corpo és tu mas tu não és o teu corpo. Tu és ar e sol e mar e energia. Tu és energia, não há como não teres energia. É a tua mente – não a oiças. Com o tempo ela irá ao lugar. Até lá, confia em mim e relaxa. Não te prives, não tenhas regras, não te recrimines. Ninguém sabe o que é melhor para ti e para mim.

Experimenta – sim, experimenta, vê o que funciona, fica com o positivo e larga o negativo. Nunca desistas de experimentar. Isso é algo que tu tens de bom e te diferencia de outras pessoas. Não que isso interesse ou importe. Mas a tua curiosidade é a demonstração da tua coragem, da tua falta de medo. E ela não é igual em todas as pessoas e não tens que te recriminar por isso. Não tens que te sentir inferior pelo que não tens à vontade para fazer, só significa que lá chegarás, ou que não é para ti. Mas relaxa. Deixa estar. Dá tempo ao tempo. Dá-te paz. Só tu podes fazer isso por ti mesma. Eu estou aqui. Eu sou recursos – quando e onde for preciso, quando a situação surgir, quando estiveres pronta.

Não é uma competição. Não te deixes influenciar. Não tenhas medo de cair. Eu estou aqui.

Sempre teu, para o que der e vier
O Teu Corpo”

 

Lembra-te:

 

Quando não sabes o que fazer

Dá-te Paz

Quando não sabes o que te espera

Dá-te Paz

Quando te esfolas para ser o melhor

Dá-te Paz

Quando te criticas e julgas e duvidas de ti mesmo

Dá-te Paz

Quando a mente não se cala

Dá-te Paz

Quando não vês sentido em nada e estás pronto para desistir

Dá-te Paz

Quando não sabes quem és, como eu não sabia (e será que já sei?!)

Dá-te Paz

 

“This too shall pass”

 

2 comentários
  • Patricia Zen
    Responder

    Against the rush of the everyday life… stop and breathe… Agaisnt social (media or not) pressures…. stop and breathe.
    Adorei! Obrigada.
    (lá está o inglês, don´’t know why! lol)

    • Sara
      Responder

      Pensei que era a letra de uma música, mas vejo que pensas em inglês, como eu eheh 😉 Depois de ter escrito esta carta, praticamente de olhos fechados, deixando o corpo conduzir a mão e a caneta, “Dá-te Paz” tornou-se o meu mantra… é tipo “vá, tréguas! já chega de dramas!” 😛

Deixa um Comentário

Start typing and press Enter to search