Diz-me Com Quem Andas #4 André Moreira

Chegou a vez de termos uma voz masculina no Vikāsa! Apresento-te o André – ele é terapeuta holístico, especialista em inúmeras técnicas desde a numerologia, à leitura de oráculos e tarot, meditação e libertação das cordas, além de utilizar o desenho e a arte como forma de cura energética. É a mente, o corpo e a alma por detrás do lindo projecto Atlas do Ser. Vou deixar que ele te conduza, através das suas próprias palavras, levando-te numa viagem à sua essência, respondendo à pergunta do costume:

 

Como Alimentas a tua Mente, Corpo e Alma?

 

Depois de ter recebido este fantástico convite confesso que escrevi várias coisas, sobre a forma como eu entendo as necessidades do corpo da mente e da alma. Textos muito “mastigados” pelos meus próprios processos internos, e a ligação que o corpo, mente e alma têm entre si, pois eles interagem e influenciam-se entre si. Esta “conversa interna” deve ser uma conversa fluída e natural, portanto decidi antes de mais explicar o que significam para mim estes três conceitos.

 

A definição dos limites do corpo, da mente e da alma, foi sempre um tópico muito complicado para mim, pois não conseguia explicar como é que um estado emocional ou um pensamento me dava “borboletas na barriga”, tensões no pescoço, etc.. Questionava-me sobre o que seria estar preocupado, se seria algo apenas mental, seriam os problemas musculares, ou será que a minha alma sabia algo do qual eu não tinha consciência? Hoje ainda não vos consigo responder de forma objectiva (nem acredito que seja necessário), mas após tantas experiências pessoais, reconheço que somos tudo isto, não há limites claros entre estas partes, assim como a sua relação com o mundo exterior.

 

O Corpo

 

O Corpo, é o nosso eterno veículo de manifestação na matéria, e um veículo dinâmico que está em constante mudança. É incrível a velocidade com que os nossos órgãos e músculos mudam se o meio envolvente ou as influências psicológicas/espirituais mudarem. Hoje em dia falamos muito de transmutar energias, transformar a vibração à nossa volta, mas temos o melhor exemplo de transformação sempre connosco. Os processos químicos estão sempre a acontecer, os níveis hormonais sempre a mudar, e todos eles estão a reagir a algo, esse “algo” é o teu poder real para te transformares.

Tudo o que comes, o conforto que tens, a disposição de quem está perto, tudo influencia os processos internos do teu corpo. Estas alterações acontecem de forma muito rápida, por isso estar equilibrado não é um trabalho de umas horas de yoga, ou 3 dias em detox, é um processo constante de transformação e renovação.

Ninguém nasce ensinado e cada corpo é um corpo, mas foi através do corpo físico que eu próprio comecei a expandir a minha consciência para questões psicológicas e também espirituais. Nunca pensei que a começar por piada umas aulas de yoga, fosse fazer com que anos mais tarde estivesse a dar consultas de Libertação das Cordas. É por isso que se torna vital garantires espaço e tempo para escutares e sentires o teu corpo, os seus sinais e alterações.

 

A Mente

 

A mente, a grande máquina. Ela é para mim é uma máquina capaz de criar consciência, compreensão ou mesmo bloqueios. Confesso que me arrepio sempre que leio ou oiço pessoas a dizer que “o problema é estares a ser mental e precisas pensar com o coração”, não que um pensamento sentido, vindo do coração, esteja errado, mas porque nos últimos tempos a mente tornou-se um bicho estranho que nos controla. Eu aprendi ao longo dos anos a entender a minha mente, a forma como ela fala com o coração, porque sem ela as emoções não fazem sentido, as aprendizagens não acontecem, as mensagens da alma não têm relação com o mundo prático, ela é esta máquina que se encontra no meio destes processos todos e que dá sentido à existência.

É aqui que te quero contar um pouco da minha introdução à arte. Comecei a desenhar de forma mais consistente no secundário, e nessa época ainda não tinha palavras para descrever o que estava a acontecer, mas eu estava a criar um método de alimentar a minha mente. Ela é muito permeável ao meio envolvente, a informação sensorial que ela coleta é parte integrante dos resultados hormonais que produz, das novas ideias, ou da estagnação das mesmas, por isso quando te rodeias de coisas belas e harmoniosas estás a rodear a tua mente de bem-estar. O processo artístico, além de belo, produz um momento de abstração enorme, um momento singular em que apesar de conscientes e em movimento, estamos a aceder a algo maior, algo inconsciente que reside dentro de nós. A cada desenho eu consigo sentir que o fluxo entre o movimento do corpo, as ideias da mente, e a informação da alma é mais forte que nunca. Uma conversa singular e etérica.

 

A Alma

 

A Alma, a tua essência. De todos os tópicos deste texto, este é sem dúvida aquele que tenho maior dificuldade de dizer onde começa e onde termina. Existem opiniões que falam de uma alma que é “maior do que nós próprios”, que nos envolve como uma aura, outras pessoas falam de algo guardado no local mais sagrado e profundo que existe dentro de nós. Para mim a Alma é um pouco dos dois, não há regras da física que a consigam definir onde ela está, é através dela que atravessamos dimensões e planos extra-físicos. Nutrir algo que não está dentro dos parâmetros físicos “comuns” não é simples à primeira vista, mas na realidade o segredo, no meu sentir, está na aproximação dos planos anteriores.

Cada um de nós tem uma técnica chave que desperta este resultado, ninguém funciona precisamente da mesma forma, mas com essa técnica (yoga, meditação, exercício físico, arte, contemplação, etc. …) fazes com que o corpo físico se aproxime da mente e por sua vez da alma, ou no sentido oposto, não interessa a ordem. Esta proximidade faz com os processos sejam mais facilmente compreendidos à luz da consciência. É mais fácil ter consciência daquilo que o corpo pede, que a mente entende, que a alma transmite, como um todo.

 

Esta tem sido a minha vivência, tu terás a tua e será também ela válida. O mais importante é que faça sentido internamente. Cheguei a estas conclusões através de experiências muito desafiantes e outras muito positivas na minha vida. Abre o teu peito à experiência fantástica que é viver com este conhecimento holístico de ti mesmo, e terás todas as respostas para estas e outras questões internas.

6 comentários
  • Patricia Zen
    Responder

    Adorei ler o André, aprendo sempre muito com ele!
    ” foi através do corpo físico que eu próprio comecei a expandir a minha consciência para questões psicológicas e também espirituais. Identifico-me tanto com isto! Obrigada André e Sara 🙂

    • Sara
      Responder

      Concordo, Patrícia! Também sinto que o corpo é o veículo que permite começar a percorrer este caminho espiritual.

    • André Moreira
      Responder

      Muito obrigado Patrícia!
      O corpo foi e continua a ser uma grande chave nesta jornada, porque por mais espirituais que sejamos o corpo é o nosso templo e também uma grande fonte de conhecimento energético de tudo o que nos rodeia!
      Um forte abraço

  • Jorge
    Responder

    Adoro o texto do inicio ao fim. É muito bom conhecer-te antes e depois e sentir que és o mesmo mas agora com uma melhor consciência de ti.

    Gosto sobretudo que não tenhas vendido nada neste texto é sinal que aprendeste nos sitios certos.

    Todas as terapias são e devem ser pagas mas o que mais gosto é que utilizaste este tempo para falar do que interessa, afinal o caminho faz-se caminhando e cada um terá o seu caminho a fazer.

    • Sara
      Responder

      Que privilégio deve ter sido assistir à evolução de consciência de alguém! E se ele se mantém o mesmo é porque, de facto, foi um trabalho bem feito, sim sr 🙂

    • André Moreira
      Responder

      Muito obrigado pelo comentário e pelo carinho. Sim de facto aprendi nos locais certos e com as pessoas certas.
      O caminho faz-se caminhando e todos nós temos um caminho diferente para trilhar.

Deixa um Comentário

Start typing and press Enter to search