Diz-me Com Quem Andas #5 Sofia Marques

Esta é a Sofia. Dra Sofia, mais concretamente! Ela é naturologista e homeopata, vegana, surfista… é a minha miúda maravilha. O espírito livre e selvagem mais bonito que as redes sociais me trouxeram. Por fora é uma rapariga muito querida e sensata, doce e equilibrada. Por dentro é uma loba, uma verdadeira princesa navajo! Com ela tenho aprendido muita coisa e gostava que vocês pudessem espreitar para dentro desta caixinha de surpresas que é a Wild Salty Soul. Ela escreveu-me um email tão bonito que o copio na íntegra, notas pessoais incluídas e tudo. Aqui vai:

 

 

Alimenta a Mente, o Corpo e a Alma

 

 

Primariamente só te tenho a agradecer este convite, e que esta partilha seja recebida com o mesmo sorriso com que escrevo. O meu equilíbrio é bastante simples, vou tentar ser sucinta!

 

alma

 

Essencialmente para mim, antes de todos os outros, o meu maior equilíbrio está na alma, muito antes da mente e do corpo, para mim, na alma está toda a nossa essência, o nosso sopro de vida, o nosso âmago, o que nos une ao mundo.

E não querendo ser clichê, a minha alma para estar em equilíbrio precisa de amor, do divino, de sentir que algo superior a mim existe. Que tenho um guia para andar comigo mesmo quando o estimulo é menor. Quando acordo, quando adormeço, quando como, em tudo, oro sempre, seja em agradecimento ou orientação.

Acho importante acreditarmos em algo que nos engrandeça e nos faça sentir parte deste universo, e que fomos enviados para este mundo em amor e para o amor. Que não devemos viver para o nosso ego mas para o AMOR que representamos nesta terra.

A espiritualidade é a base da construção da mente, e por isso meditar, orar, agradecer, seguir os passos do amor próprio e o amor ao próximo, traz-me maior segurança e equilíbrio.

 

mente

 

A mente, essa precisa de exercício, tal como o corpo.

É importante crescer mentalmente e amadurecer energias, com isto digo: aprender a filtrar o que devemos absorver, o que enviamos em pensamentos e palavras.

Saber respeitar o nosso espaço e o dos outros. Se sinto que uma energia não se conecta à minha, envio-lhe amor e sigo a passagem. Aprendi que nem todos os que aparecem no nosso caminho são feitos para caminhar connosco. E aceito, confio, sempre vivendo em amorosidade com todos, mesmo os que não são receptivos. O que não é de todo fácil, logicamente. E por isso foco-me no: NÃO SENTIR MEDO.

O medo para mim é a pior sensação que possamos vivenciar na mente, ele transforma-se em grandes bloqueios e atrai lições repetidas até estas serem finalmente ultrapassadas com coragem.

Quantas toxicidades deixamos entrar na nossa vida pelo medo? É importante pensar nisso.

Por tudo isto é que para equilibrar a mente procuro viver o mais calma possível, e faço muitas respirações diárias. Se me sinto nervosa, stressada, procuro respirar e parar. Não importa se por um minuto ou por três dias, respeitar a mente. Chego inclusivamente a fazer meditações de cinco ou dez minutos na minha pausa de almoço e recomeçar. Se não consigo meditar, o que também acontece, oro, e faço orações onde a minha mente expõe tudo. Quando há sol, aí procuro qualquer canto para receber vitamina D e aquecer a minha serotonina. Sem falar nos livros, os livros são viagens gratuitas que damos à nossa mente quando ela precisa de relaxar.

Em suma tenho várias ferramentas mentais: o amor dos meus patudos, o mar (não vivo sem sal), a música, alongamentos, pintar, dançar, ou seja, enviar para fora o que precisa ser libertado, esforçando-me ao máximo para não projectar isso em ninguém. Ter sempre em mente que quando estamos angustiados, a tendência é magoar quem nos ama, e isso não é justo, devemos ser o reflexo do que queremos receber. E o mais importante no equilíbrio mental: perceber que tudo passa, tudo é passageiro, e saber aceitar isso. Para o bom e para o mau.

 

corpo

 

Corpo, a nossa capa, o nosso mapa, a nossa casa.

Sem falar já na alimentação, tenho sempre em atenção o meu GUT FEELING. Saber ouvir aquela ansiedade na barriga, aquela dor de cabeça, etc, SENTIR. O nosso corpo manda-nos mensagens, e na maior parte das vezes não escutamos e basta isso para entrarmos no desequilíbrio inconsciente.

Tudo cá dentro nos responde ao que emitimos cá para fora. E eu dou espaço para que possa escutar cada uma das respostas. Aprendi a confiar neste alerta que o corpo dá! A partir daqui, com a minha alimentação rica em natureza, o corpo em si faz por viver em harmonia.

Acredito que cada alimento tem a sua energia própria, e a preparação dos mesmos também. A comida é uma partilha energética, e por isso devemos ter cuidado com o que colocamos de nós no que estamos a confeccionar. Quantas vezes um bolo correu mal e culpamos o forno? Como sempre: perceber o que estamos a enviar. Respirar fundo e saber aquecer o coração antes de tudo e qualquer coisa. A comida é amor, e nós somos amor!

E por esse motivo, relembro a mim mesma que o corpo é livre, e que nunca o irei fechar dentro de uma caixa. É importante que cada um de nós aprenda que ser saudável é libertar o corpo de etiquetas, e saber ler o que ele nos pede. Pede um prato de batatas fritas? Então com todo o amor, vou cortar batatas, temperar com paprika e pimenta preta, e como! No outro dia se me apetecer comer lentilhas, como! Comer é um conforto para a alma, não vivam em caixas, por favor.

Ser saudável é sorrir por dentro, como está escrito: Sorrir com o rosto, sorrir com a mente, sorrir até com o fígado (…) Podes convocar a boa energia com um sorriso.”

Por isso é tão importante para o nosso corpo estarmos rodeados de pessoas que nos amam e amamos, fazer uma fogueira no meio da praia e rir às gargalhadas, repartir um copo de vinho tinto, fazer pilates com o nosso grupo de amigas, viajar para um lugar que nunca tenhamos estado (e para isso não é preciso apanhar um avião), viver o nosso corpo sem julgamentos, sem competições, sem exigências, e sentir verdadeiramente que somos filhos de um universo e um Ser maior, e temos sempre de viver à altura disso.

 

E se há coisas que aconselho muito rapidamente?

Escolham uma alimentação vegetal, façam por dormir 8h, alonguem-se todas as manhãs, adoptem patudinhos, coloquem as redes sociais numa gaveta, calcem meias com chinelos, vejam o mar sempre que possam, vivam sem medos, beijem na boca, bebam muita água, abracem quem amam e sejam amor com gratidão em tudo o que fazem!

 

Muito grata por me conseguires fazer escrever esta parte de mim.

Minha yogi, é bom andar contigo neste caminho!

 

*E de fundo está a tocar: ALL DAAAA SMALLL TINGUESSSS…

2 comentários
  • Patrícia Zen
    Responder

    Ooooh gostei tanto!! Que testemunho tão fresco e quase que cheira a mar!
    Obrigada Sarita por nos apresentares almas tão bonitas.
    Sofia, obrigada pelos conselhos mas há um que terei certamente muita dificuldade em seguir: meias com chinelos…. não dá. lol
    Beijinhos a ambas e obrigada!!!

    • Sara
      Responder

      Ahahahah meias com chinelos rules! A Sofia é mesmo uma lufada de ar fresco <3

Deixa um Comentário

Start typing and press Enter to search